Blog

O CBD causa tolerância?

CBD, a nova estrela do bem-estar mundial, conquistou uma vasta legião de fãs nos últimos anos – e com razão! Com os seus potenciais benefícios para a saúde, não é de admirar que as pessoas tenham interesse em experimentar CBD. No entanto, tem surgido uma questão na mente de muitos: É possível desenvolver tolerância ao THC ou CBD?

Ao mergulharmos neste enigma, exploraremos as complexidades da tolerância, as peculiaridades das interações do CBD com o nosso corpo e como garantir que esta maravilha botânica continue a exercer a sua magia.

O que é tolerância?

Tolerância. Uma palavra que frequentemente se ouve, mas o que é que ela verdadeiramente significa? No contexto das substâncias, a tolerância é a forma do teu corpo dizer: “Oh, já me cruzei com isto antes, deixa-me ajustar-me.” Por outras palavras, é uma resposta reduzida a uma substância devido à exposição repetida, o que te leva a precisar de mais para obter os mesmos efeitos.

comprar cbd

Agora, avancemos para os tipos. Existem duas personagens principais nesta história: a tolerância aguda e a tolerância crónica. A tolerância aguda é como aquele convidado inesperado que aparece de repente, fazendo-se notar em apenas algumas horas. A tolerância crónica, por outro lado, é como aquele colega de quarto que começa a ocupar cada vez mais espaço ao longo do tempo, desenvolvendo-se após exposição repetida e prolongada a uma substância.

É importante salientar que nem todas as substâncias são iguais quando se trata de desenvolvimento de tolerância. Alguns notórios concorrentes neste jogo de desenvolvimento de tolerância incluem o álcool, os opiáceos e até mesmo o nosso querido café. Estas substâncias tendem a requerer doses cada vez maiores para se obter o mesmo efeito de euforia, alívio ou concentração que antes, o que nos leva a questionar se o nosso amigo CBD poderá seguir o mesmo caminho. Fica atento para desvendarmos a verdade por detrás da tolerância ao CBD!

Como o CBD atua no Organismo?

tolerância ao cbd

Vamos agora explorar como o CBD atua no corpo. Introduz-te no sistema endocanabinoide (SEC), o herói desconhecido que auxilia na manutenção do funcionamento sem problemas. Este sistema complexo assemelha-se a um maestro de uma orquestra, garantindo que todos os músicos (ou, no nosso caso, as funções corporais) atuem em harmonia.

Ao contrário do THC, o seu primo mais famoso, o CBD não se liga diretamente aos recetores CB1 e CB2. Pelo contrário, assume um papel mais subtil, incentivando suavemente o SEC a desempenhar a sua função de forma eficaz. O CBD age como um amigo solidário, melhorando a função dos endocanabinoides e auxiliando o SEC a manter a homeostase – o equilíbrio tão essencial que mantém os nossos corpos sob controlo.

Descobre os nossos óloes de CBD aqui

O Estado Atual da Pesquisa sobre Tolerância ao CBD

Vejamos agora o estado atual da investigação sobre a tolerância ao CBD, à medida que continuamos a nossa busca para desvendar a verdade. Neste momento, enquanto o CBD tem ganhado destaque no mundo do bem-estar, os cientistas têm estado ocupados nos bastidores, a tentar obter uma imagem mais clara deste composto enigmático.

Estudos em humanos e animais mostraram que o CBD pode ser usado com segurança por longos períodos de tempo sem causar tolerância significativa. Em um estudo de 25 semanas em humanos, os participantes que tomaram CBD diariamente não mostraram nenhuma evidência de tolerância.

Há várias razões pelas quais o CBD pode ser menos propenso a causar tolerância do que outras substâncias. Uma possibilidade é que o CBD não se liga diretamente aos receptores canabinóides no cérebro, mas em vez disso, atua de forma mais indireta. Isso significa que o CBD não pode causar alterações no cérebro que levariam ao desenvolvimento de tolerância.

Outra possibilidade é que o CBD possa ajudar a reduzir a tolerância a outras substâncias. Em um estudo, o CBD foi mostrado para reduzir a tolerância ao álcool em ratos.

O mundo da investigação com CBD é ainda relativamente jovem:

Contudo, é importante recordar que o mundo da investigação com CBD é ainda relativamente jovem e repleto de questões sem resposta. Existem limitações nos estudos realizados até ao momento, incluindo tamanhos de amostra reduzidos, metodologias diversas e uma falta de investigações a longo prazo. Isto deixa espaço para uma exploração e descoberta adicionais no campo da tolerância ao CBD.

Também é relevante sublinhar que as respostas individuais ao CBD podem variar devido a uma série de fatores, como a genética, o metabolismo e as escolhas de estilo de vida. Assim como não há duas pessoas idênticas, o mesmo acontece com as experiências com o CBD. Isto realça ainda mais a necessidade de investigações mais amplas e diversificadas no futuro.

Assim, embora o estado atual da investigação nos ofereça um vislumbre do mundo da tolerância ao CBD, ainda há muito por aprender e descobrir. No entanto, não te preocupes, manter-te-emos informado acerca dos desenvolvimentos desta história! E agora, estás pronto para embarcar nesta viagem connosco e explorar os benefícios do CBD? Junta-te a nós e partilha as coisas boas que a vida tem para oferecer!

Tolerância ao THC vs CBD?

O CBD e o THC podem ser comparados a irmãos no mundo dos canabinoides, mas no que diz respeito à sua estrutura química e efeitos, eles são mais como primos distantes. Embora partilhem uma fórmula molecular semelhante, a disposição dos seus átomos difere, resultando em interações distintas com os recetores do nosso corpo. O THC é o composto psicoativo infame que provoca o conhecido “barato”, enquanto o CBD não é intoxicante e é elogiado pelos seus potenciais benefícios terapêuticos.

O THC tem uma habilidade especial para causar tolerância. Liga-se diretamente aos recetores CB1 no cérebro, resultando num forte efeito psicoativo. Com o tempo, o nosso corpo responde diminuindo a atividade destes recetores, reduzindo a sua sensibilidade ao THC e requerendo doses mais elevadas para o mesmo efeito. Este fenómeno tem sido amplamente documentado em estudos tanto em animais como em seres humanos.

Por outro lado, a tendência do CBD para interagir bem com o nosso sistema endocanabinoide poderia explicar a sua aparente resistência ao desenvolvimento de tolerância. Como mencionado anteriormente, o CBD não se liga diretamente aos recetores CB1 ou CB2; em vez disso, influencia o SEC de forma mais subtil Alguns estudos sugerem até que o CBD poderá contrariar alguns dos efeitos psicoativos do THC e ajudar a mitigar a tolerância induzida pelo THC.

Resumindo…

Em resumo, as diferenças na forma como o CBD e o THC interagem com o nosso sistema endocanabinoide podem explicar as suas tendências contrastantes no que diz respeito ao desenvolvimento de tolerância ao THC e ao CBD. Enquanto o THC é conhecido por desenvolver tolerância, o CBD parece seguir o seu próprio rumo, resistindo à vontade de induzir tolerância significativa nos utilizadores.

Como abordar o CBD de dorma diferente ?

O mundo da tolerância ao CBD está repleto de intriga e questões sem resposta. Embora a pesquisa atual sugira que o CBD é menos propenso a causar tolerância significativa em comparação com outras substâncias como o THC, ainda há muito a aprender. Ao compreender como o CBD interage com o nosso sistema endocanabinoide e ao acompanhar o sempre em evolução corpo de pesquisa, podemos tomar decisões informadas sobre o nosso uso de CBD. Para minimizar o risco de desenvolver tolerância ao THC ou CBD, considere começar com uma dose baixa, alternar entre diferentes produtos de CBD, fazer pausas no uso e incorporar outros remédios naturais e mudanças no estilo de vida. Ao abordar o CBD com curiosidade e um senso de aventura, podemos continuar a explorar os seus potenciais benefícios e descobrir os segredos que este fascinante composto guarda.

Fontes

1. Bergamaschii, Mateus M., et al. “Safety and side effects of cannabidiol, a Cannabis sativa constituent.” PubMed, 1 September 2011, https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/22129319/. Accessed 29 April 2023.
2. Gonzalez, Sara, et al. “Cannabinoid tolerance and dependence: a review of studies in laboratory animals.” PubMed, 2005, https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/15919107/. Accessed 29 April 2023.
3. Hirvonen, J., et al. “Reversible and regionally selective downregulation of brain cannabinoid CB1 receptors in chronic daily cannabis smokers.” PubMed, 2012, https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/21747398/. Accessed 29 April 2023.
4. Huestis, Marilyn A. “Human Cannabinoid Pharmacokinetics – PMC.” NCBI, 2007, https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2689518/. Accessed 29 April 2023.
5. Laprairie, R. B., et al. “Cannabidiol is a negative allosteric modulator of the cannabinoid CB1 receptor.” NCBI, 2015, https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4621983/. Accessed 29 April 2023.
6. MacCallum, Caroline A., and Ethan B. Russo. “Practical considerations in medical cannabis administration and dosing.” PubMed, 4 January 2018, https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29307505/. Accessed 29 April 2023.
7. McPartland, John M., et al. “Are cannabidiol and Δ(9) -tetrahydrocannabivarin negative modulators of the endocannabinoid system? A systematic review.” PubMed, 2015, https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/25257544/. Accessed 29 April 2023.
8. Mechoulam, Raphael, and Lumir Hanus. “Cannabidiol: an overview of some chemical and pharmacological aspects. Part I: chemical aspects.” PubMed, 2002, https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/12505688/. Accessed 29 April 2023.
9. Nagarkatti, Prakash, et al. “Cannabinoids as novel anti-inflammatory drugs.” PubMed, 2009, https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/20191092/. Accessed 29 April 2023.
10, Pertwee, RG. “The diverse CB1 and CB2 receptor pharmacology of three plant cannabinoids: delta9-tetrahydrocannabinol, cannabidiol and delta9-tetrahydrocannabivarin.” PubMed, 2008, https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/17828291/. Accessed 29 April 2023.
11. Russo, Ethan B. “Taming THC: potential cannabis synergy and phytocannabinoid-terpenoid entourage effects.” PubMed, 2011, https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/21749363/. Accessed 29 April 2023.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *